Habilitação alemã
1.  Datas de validade
A Carteira de Habilitação brasileira dá direito a dirigir na Alemanha pelos primeiros seis meses (no caso de brasileiros residentes). Passado esse prazo é necessário que se faça a transcrição para obter licença para continuar dirigindo nesse país. Para tanto, é necessário ainda que a carteira de habilitação brasileira ainda esteja dentro do prazo de validade no Brasil. Informação da Embaixada do Brasil em Berlim: As autoridades alemãs informaram, em outubro de 2012, que, com base nessa Convenção, NÃO mais exigirão tradução oficial para o alemão da CNH brasileira. Caso algum cidadão brasileiro receba informação contrária na Alemanha, pede-se entrar em contato pelo e-mail assistencia.berlim@itamaraty.gov.br, para que a Embaixada tome as providências cabíveis.

2. Tradução juramentada pela ADAC

A ADAC é um Clube do Automóvel e está presente por toda a Alemanha. Pode-se entrar em contato com a ADAC da sua região por e-mail relatando o interesse em fazer a tradução juramentada. Eles respondem enviando o valor da tradução (que varia entre os estados, ficando em torno de 50 até 60 Euros). Eles enviam também a conta bancária para o pagamento do serviço, assim como o endereço e o nome da pessoa responsável a quem deve ser enviada a carteira de habilitação original com o comprovante de pagamento. Após cerca de duas semanas, você receberá na sua casa de volta a carteira de habilitação original e a tradução juramentada.

3. Exame de vista
Na Alemanha, ao contrário do Brasil, é possível fazer exame de vista em praticamente qualquer loja que vende óculos de leitura e não é necessário marcar um horário e esperar dias para fazer tal exame com algum médico. O valor do exame varia de cinco à oito Euros (depende do estado e cidade que esteja fazendo). Você pode também deixar para fazer quando você for fazer o curso de primeiros socorros (dica 5).

4. Fazer o Curso de Primeiros Socorros (Erste Hilfe Kurs)
O curso de primeiros socorros é obrigatório para todos os portadores de carteira de habilitação alemã, não importando se você é um iniciante ou se já tinha uma carteira no Brasil. Ele é feito em um único dia, em algumas cidades é fornecido somente em alemão, mas, para o alívio de muitos, algumas poucas cidades oferecem em inglês. O curso tem a duração de seis horas, o valor fica em torno de 18 a 25 euros e você não precisa se inscrever com antecedência. Para se informar sobre horários e locais do curso em sua região, basta você escrever no Google Erste Hilfe Kurs e o nome de sua cidade/região. No final do curso eles entregam um certificado comprovando sua participação.  Simples assim!

5. Dar entrada no processo de transcrição em uma autoescola que seja onde você tenha sua inscrição de residência principal na Alemanha
Muita calma nessa hora! Algumas autoescolas por falta de informação, ou mesmo com a tal informação, oferecem um pacote fechado de 10 ou 15 aulas práticas para aceitar dar entrada no seu processo. Isso significa mais $$$$ gasto durante o processo de transcrição. Atenção: Não é bem assim!!!!

Tente encontrar uma autoescola que aceite seu processo de transcrição sem que seja um pacote fechado e sim que você mesmo decida quantas aulas práticas gostaria de ter e também se você gostaria de assistir alguma aula teórica ou não. Portadores de carteira de motorista brasileira dentro do prazo de validade não são obrigados por lei a fazer nem aula teórica e muito menos a aula prática. Os brasileiros são somente obrigados por lei aos itens das dicas anteriores e a fazerem a prova teórica e prática. Caso seja muito difícil encontrar alguma autoescola que ceda a essa prática de pacotes fechados, tente através de recomendação de algum amigo, conhecido ou colega em grupos de comunidades brasileira no Facebook.

Uma vez decidido qual autoescola, leve com você:

– Seu comprovante de inscrição de residência principal de sua cidade;
– Sua Carteira de Motorista brasileira original (aproveite para dar adeus a ela, pois ela fica retida no processo e você deverá fazer uma segunda via no Brasil caso você queira ter novamente uma no Brasil também);
– A tradução juramentada;
– O comprovante de exame de vista;
– O comprovante de participação no Curso de Primeiros Socorros, para finalmente dar entrada ao processo de transcrição.
A autoescola cobrará:
– As taxas para as provas;
– Taxas do material didático fornecido por ela (que poderá ser em apostila ou em CD para estudar no computador ou um link com login e senha para se estudar através de programa na internet);
– Taxas pelo serviços prestados por ela.
E, lógico, que mais uma vez isso variará de acordo com a região que você mora. Infelizmente, não para por aí. A variante dessa vez não é só a região em si. Dependerá também de um detalhe: Você vai fazer algumas aulas práticas? Quantas? E esse detalhe não é pequeno não! Por causa dele a variação de preço não é pequena como nos itens citados anteriormente. O valor pode ficar tanto em torno de 450 euros como também 800 euros. De qualquer forma em nenhum dos casos é barato! As opções seriam em torno de caro ou muito caro! Um processo para habilitação iniciado do zero (sem ser a transcrição da brasileira) pode ficar em torno de dois mil euros!
6. Escolha da língua para a prova teórica
Ao dar entrada ao processo faça já escolha da língua que você gostaria de fazer a prova teórica. Na Alemanha é possível se fazer em várias línguas e uma delas é o português! Olha só que legal, né? Só que é o português é de Portugal e alguns brasileiros têm encontrado dificuldade para fazerem em casa sozinhos os exercícios em português de Portugal.

Se você optar por fazer dessa forma esteja preparado para ler, identificar e se adaptar a coisas como:

– O peão está parado na berma da estrada nacional;
– Indicadores de mudança ao sair de uma rotunda;
– O que fazer se você for encadeado;
– Com o que você deve contar atrás de uma lomba da estrada;
– Conferir o óleo dos travões;
– Encadeamento de caça grossa;
– Levar bagagem no tejadilho de seu automóvel ligeiro;
– Você leva consigo um atrelado carregado atrás de seu automóvel ligeiro;
– Estar atento ao autocarro escolar;
– Um carro eléctrico passa por você;
– Dentro de que troço você tem que o mais tardar poder parar;
– Velocidade de embate;
– Condutor de camião (sim, sem nh) e assim por diante. 
A lista é enorme! Graças a Deus muitas questões se repetem ao longo das páginas de exercício e isso nos leva para a próxima dica.

7. Faça e refaça os exercícios do material para a prova teórica
Na prova teórica são perguntadas 30 questões. Essas são retiradas do material fornecido pela autoescola. Independente se o material é em formato de apostila, CD ou link na internet ou também se você optou por fazer no belíssimo português da língua mãe de Portugal ou se optou por fazer na outra belíssima língua, em alemão. As questões serão retiradas dali. A quantidade de exercícios desse material diático é algo em torno de 1320 questões. Sim, não errei os números. É só fazer as contas assim: são 33 testes ou Testbogen como eles chamam na Alemanha, cada teste contém 40 questões, portanto seria 33 x 40= 1320 questões! Como dito acima, algumas questões se repetem, mas ainda assim a dica é: REFAÇA os testes. Algo em torno de três a cinco vezes cada teste com 40 questões.

As pessoas que conheço que por acaso não passaram na prova teórica, relatam que apenas fizeram os testes e confiaram na repetição das questões ao longo dos testes seguintes. Pelo visto, para algumas pessoas não é suficiente. Já as pessoas que passaram, relatam que não só fizeram todos os testes como também repetiram depois esses testes. Então, refaça enquanto você estiver no ônibus, no trem, no banheiro ou realmente estudando em algum canto de sua casa. Dessa forma é impossível não passar na prova teórica.

8. Invista em algumas aulas práticas
Após o resultado positivo da prova teórica, que é recebido imediatamente após a finalização, a autoescola tem permissão para marcar a prova prática. Nesse momento a dica é, apesar do valor desse processo todo, ainda assim invista em algumas aulas práticas. Algo em torno de quatro aulas já seria o suficiente.

Você aproveita para treinar os comandos pedidos pelo avaliador durante a prova que deverão ser em alemão ou, dependendo da sua cidade, em inglês… menos em Português! Também aproveite para aprender algumas coisinhas diferentes do Brasil como:

– Freada de emergência, que não é pedida na nossa prova prática;
– Aproveita para treinar a realmente olhar sempre pelo ombro após dar sinal para fazer uma curva ou uma ultrapassagem para evitar o ponto cego (não pode somente ser pelos retrovisores não como eu sei que muita gente faz)
– E também a regra de “rechts vor links” ou seja “direita antes da esquerda”, na qual os carros vindos pela direita sempre terão preferência, a não ser que tenha alguma sinalização prescrita de que dessa vez, nesse trecho quem tem preferência é você.

9. Não faça de óculos escuros
Parece estranho dizer isso, não é mesmo? Ainda assim vale como dica. Mesmo que esteja um sol de rachar, céu azul sem nenhuma nuvem (coisa rara na Alemanha), ainda assim, não faça a prova de óculos escuros. O avaliador sentado no banco traseiro avalia pelo retrovisor interno se você tem realmente conferido o trânsito pelos retrovisores laterais ou se olhou por cima dos ombros ao sinalizar conversão ou iniciar uma ultrapassagem. Os óculos escuros não permitem essa visualização e para provar que você está realmente conferindo e controlando essas coisas, você teria que exagerar mais ao curvar seu pescoço durante essas manobras.

10. Mantenha a calma, pense positivo e vá em frente sem medo!
Parece pouco, mas pequenas coisas como transcrever a carteira de habilitação brasileira para a alemã, é um grande passo para quem está reiniciando uma vida fora de seu país. Pequenas conquistas como essa, ajudam a melhorar a autoestima! É um passo a mais para ser menos dependente de outras pessoas e poder seguir com sua vida em busca de suas realizações pessoais.
Para encerrar, quero citar o caso de uma amiga próxima, que foi reprovada:

Uma amiga minha aqui em Bremen, Maria Clara Turano Candolo, que dirige desde que chegou na Alemanha há seis meses (naquele prazo citado acima) foi reprovada na prova de direção mesmo dirigindo super bem. Antes de ser reprovada já tinha tido problema no curso de primeiros socorros e depois também na prova teórica. Ela fez o tal curso de primeiros socorros em inglês como citei que é possível. Daí ela me contou que é assim: a pessoa chega, escuta um áudio de uma hora em inglês e depois ainda assim é obrigada a ficar as seis horas com o professor que fala somente em alemão para a turma. Ela teve que fazer os exercícios práticos que o professor indicou para a turma e tudo em alemão. A prova teórica era para ser em português, mas ao chegar lá estava em alemão e disseram que não podia mudar o programa na hora da prova. Então ela e o marido (que também está fazendo) foram embora. Ao remarcar a prova, cobraram uma multa de 23 Euros para cada, por eles não terem feito na data marcada. Como o erro na verdade foi ou da autoescola dela ou do órgão que faz a prova (TüV), lógico que eles não queriam e nem deviam pagar a multa. Brigaram até conseguirem a remoção. 

As “pegadinhas”
Na prova prática o professor da autoescola tinha dito que seria em inglês. Mas chegando lá, o avaliador viu o passaporte dela que é cheio de carimbos, porque ela viaja o mundo todo com o marido e criou uma antipatia por ela. Disse que seria em alemão pronto e acabou. Ele foi irônico o tempo todo e fez todos os pegas possíveis. Perguntou (em alemão lógico) as coisas técnicas sobre o carro e pneu que aprendemos para a prova teórica, ele também pediu para ela entrar em rua que era proibida, como eu já a tinha alertado sobre essas possibilidades ela conseguiu ir bem e não caiu nesses pegas. Teve uma que eu não contei porque pensei que nas poucas aulas práticas dela o professor tinha orientado. Foi sobre a velocidade em zona Residencial (placa azul com ciranças brincando). Não é permitido colocar segunda marcha ou andar em velocidade superior a 7.5 km/hr (para o caso de carros automáticos, sem câmbio para troca de marcha). Ela achou que andar em velocidade baixa fosse suficiente. Ela não aprendeu com o professor da autoescola, colocou segunda e foi bem devargarzinho (algo em torno de 15 km/h). Ao final o avaliador monstro contou o erro e a reprovou. Ainda teve a cara de pau de falar que ela teve carteira emitida para dirigir no Basil por muitos anos e depois para dirigir no período que morou em Bangkok, mas que para Alemanha não era suficiente. Eu fiquei horrorizada com o que ela me contou… 

Ela repetiu a prova, foi outro avaliador, só falava alemão, não entendia inglês, não fez nenhum pega, não pediu para entrar em zona Residencial, nem rua proibida, nem pergunta técnica, nada. Só mandou estacionar duas vezes e fazer a freada de emergência. Ela foi aprovada e hoje a Clara tem sua carteira de habilitação :o) 

Desejo boa sorte pra você. Quando conseguir sua carteira de motorista, conta pra gente!

 Lorena
A goiana Lorena Ribeiro Bärschneider tem 39 anos e é cirurgiã-dentista. Casada com um alemão, morou alguns anos no Brasil, até decidir mudar para a Alemanha com o marido há dois anos. Persistente, ela luta para exercer a profissão que ama no país que escolheu para viver. Aqui ela fala sobre sua trajetória profissional na Alemanha: