Daniel Duclos é um brasileiro que mora em Amsterdam e escreve no seu blog de viagem e de sucesso Ducs Amsterdam. Mas ele é mesmo conhecido entre os blogueiros (principalmente os de viagens), por ter um jeito muito franco de escrever e por não deixar de compartilhar suas dicas preciosas com quem é iniciante. Essa é uma qualidade que eu muito admiro e pouco encontro na blogosfera. Tenho o prazer enorme em publicar 10 dicas do Ducs para vocês. Enjoy!

 

Eu comecei a blogar em 2004. Na época blog era apenas um diário de adolescente. Eu não era adolescente, nem escrevia diário. Felizmente, descobri que blog é bem mais que isso: Uma plataforma de publicação que comporta um mundo. O seu mundo.
Depois de quase dez anos batendo cabeça e estudando e batendo mais cabeça, acumulei algumas cicatrizes em forma de dicas que podem ser úteis para quem está iniciando a caminhada de ter o blog como algo um pouco mais a sério do que um simples diário.

Ah, antes de começar, leia as dicas do Michel Zylberberg: TOP 10 Dicas de Michel Zylberberg por dois motivos: um, vou assumir que você leu, então não vou repetir dica e dois, elas são muito boas.

Vamos lá:

1. Mostre seu rosto
Blog depende de comunidade, de relacionamento. É a primeira das mídias sociais. No blog, você é sua marca. As pessoas se relacionam com outras pessoas, não com logos ou empresas. Mostre o rosto: ponha a cara lá, olhando para a câmera e sorrindo. Pode atualizar sua foto (de vez em quando, conforme você envelhece), mas seja consistente, com a mesma foto através da net  e mostrando o rosto, as pessoas vão te reconhecer mesmo quando você mudar a foto.
 

2. Crie uma página “Sobre”
Por falar nisso: conte sua história. Pessoas se conectam com histórias. Tenha uma página de “about” (sobre) no seu blog. Conte um pouco sobre quem é você. Conte um pouco da proposta do seu blog, do que você quer fazer com ele. E termine com um link pra sua página de contato. Aliás…

3. Crie uma página de contato
Nem todo contato deve ser público, e portanto a caixa de comentários não é suficiente para as pessoas te contactarem. Se você está trabalhando com o blog, é fundamental ser fácil falar contigo em particular. Sim, claro, os seus leitores irão te contactar direto, mas não só eles. Eventualmente, como disse o Michel, empresas irão querer falar contigo, imprensa etc. Não vou mentir que muita coisa sem cabimento vem pelo contato, mas vem muito mais coisa legal. Assim, de longe. Histórias tocantes, dúvidas pertinentes, agradecimentos sinceros, críticas e correções essenciais, propostas interessantíssimas, oportunidades, e surpresas boas, sim. Você pode colocar o seu email, mas acho mais fácil para todos, um formulário – protege seu email de spammers, e elimina um passo pra pessoa falar contigo.

4. Encontre seu nicho, siga sua paixão
Busque escrever sobre algo que te atrai. Não adianta buscar um nicho ou assunto só porque você acha que vai te dar retorno, ou porque está na moda. Nem adianta tentar abarcar o mundo e escrever sobre tudo ou todos, pra agradar todo mundo. Paixões são contagiantes, e tem louco pra tudo nesse mundo. Sim, existem outras pessoas com a mesma paixão do que você. Escreva pra elas sobre isso.

5. Melhore sempre seu texto
 Sempre. Não caia nessa de “é só sentar e escrever”, ou de “eu escrevo bem”. Sempre dá pra melhorar. Ter um texto bom, atraente, gostoso de ler, irá fazer maravilhas pra te destacar em um mar de mediocridade escrita. Se você usa frases feitas, chavões, ok, você tem menos trabalho para escrever. Mas por outro lado, você soa igual todo mundo. Será que a única chamada possível é “confira?” Será que dá pra introduzir um dado sem usar “só para se ter uma ideia”?

6. Escreva falando com as pessoas
Olha, tom neutro e imparcial, em terceira pessoa, tem seu lugar, propósito e utilidade. Só não é em um blog. No seu blog, escreva como se estivesse conversando com o seu leitor. Porque você está! Bata um papo, conte uma história e, nesse processo, passe a informação. Não precisa usar terceira pessoa neutra, aquele “nós” genérico das empresas. Não seja genérico, seja você.

7. Tráfego é resultado de trabalho constante e consistente
Não, não vai vir tráfego do dia pra noite. Bom, pode vir – às vezes acontece, um post seu se torna viral, o jornal nacional te recomenda ou algo assim. Mas tem dois problemas com isso: Um, é esperar ganhar na loto. Seu plano de trabalho é ganhar na loto? Huh… dá pra melhorar isso né? E dois, esse tipo de tráfego é fugaz. Ele vem, e ele vai. Hoje você fica na moda e tem um pico monstruoso de acessos. Amanhã a internet descobre um vídeo de gatinho e corre pra lá, te deixando como antes. Tráfego bom, é tráfego que se constrói ao longo do tempo. E esse é resultado de trabalho direto seu, não de alguém te descobrindo. As coisas se acumulam ao longo do tempo. Trabalhe para estar melhor do que ontem, que amanhã você vê os resultados. E não adianta ficar lendo dica e tutorial: tem de fazer. Se não puser dedinho no teclado, não vai sair letrinha.

8. Altos e baixos são normais
Sim, eu já pensei em fechar o meu blog. Eu já tive momentos de “isso nunca vai dar certo”. Isso é normal, e nem todo dia é melhor do que o anterior. Tráfego cai, problemas acontecem, desânimo bate. O recorde de acessos do mês passado não vai ser batido nesse mês… e nem sequer igualado. Isso é normal. Somos humanos trabalhando na vida real, e temos crise de mau humor, e perrengues etc. E aí no dia seguinte a gente senta de novo e continua, porque amar o que se faz não quer dizer amar todo segundo do que se faz. Fazer algo legal não quer dizer só fazer coisas legais. E ter sucesso não quer dizer acertar todas. Antes pelo contrário, se quer saber…

9. Crie uma rotina pra blogar
Nem precisa começar a me contar que você não tem tempo de blogar. Eu sei o que é isso. Eu cuido da minha filha 40 horas por semana e se você cuida ou já cuidou de criança você sabe que é um trabalho integral. Quando virei pai, eu fiquei todo perdido, sem achar tempo (e disposição) pra blogar. E só sai dessa quando entrei em acordo com minha esposa sobre ter um horário de trabalho. Sim, exige sacrifício, sim, dá cansaço, mas deixar pra blogar quando bater inspiração, quando tiver tempo, vai resultar em um blog abandonado.

Você sabe do que estou falando: a gente vive apagando incêndio, e sempre tem um incêndio, um problema mais imediato, e concordemos que blog não é incêndio (se for, algo está errado). E de incêndio em incêndio, blog acaba criando poeira. E nem precisa tirar, assim, um tempão, todo dia. Escolha uma hora, que seja literalmente uma hora, mas essa hora é do blog e ninguém tasca.

10. Blogar se aprende blogando
 É prática. Tudo isso que eu falei é muito legal, muito isso e muito aquilo, mas se quer saber a bem da realidade? Muito disso só vai fazer sentido quando você estiver lá, batendo teclinhas e editando fotos e colocando as coisas junto e cometendo erros e dizendo “aaaaaaahhhhh, era  isso então….” Sim, tem de cometer erro, sim você vai cometer erros, e tudo bem. Tudo bem! Mesmo! Não deixe o medo te travar. Não deixe o volume de coisas a aprender te travar. Não deixe aquele problema técnico, ou você não saber como configurar o snevers do bubblegummers reverso te travar. Sente, escreva, publique, aprenda. Repita. É isso. Eu tô fazendo isso até hoje.

Boa sorte!


Ducs Amsterdam você encontra aqui:


www.ducsamsterdam.net

www.facebook.com/ducsamsterdam

www.twitter.com/ducsamsterdam

www.instagram.com/ducsamsterdam